terça-feira, 4 de novembro de 2008

Redoma de vidro


Paro, respiro e observo o horizonte, como se fosse a tua imagem. Não exitem paredes. Apenas o reflexo verde da grama, ainda molhada do orvalho. Com passos largos, você se aproxima, em pensamento, corro para os seus braços, mas o meu corpo permanece estático. Sinto o contato da tua mão e me aqueço. De pés descalços, piso em espinhos. Nem mesmo a grama é perfeita.


Andrea Rodrigues e
Karen Drago

3 comentários:

Teresa disse...

Linda cena!
Que bom, Karen, te ler de novo e, da mesma forma a Andreia, que há tanto tempo não lia!
Bjão pras duas!

Karen Drago disse...

Obrigada Teresa! É sempre um prazer tê-la por aqui! Ah, FELIZ ANIVERSÁRIO mais uma vez! :)
Grande beijo!

Kelli Pedroso disse...

Uau!