terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Alianças

Hoje, recebi por e-mail um vídeo que fala sobre o significado da aliança de casamento.
Assim como tudo no mundo que se mostra aos meus olhos, observo-o com distanciamento sobre-humano.
A explicação é verossímil! Simples e por isso mesmo, bela.
Atribuída aos chineses, explica o porquê de os casais deverem usar a aliança no quarto dedo.


Diz que cada dedo da mão representa alguém do meio familiar:
os polegares são os pais, os indicadores os irmãos, o dedo médio representa o próprio indivíduo, os anelares representam os cônjuges e os mindinhos, os filhos.
Se juntarmos as mãos espalmadas, encostando os dedos e depois voltarmos os dedos médios em nossa direção,os únicos dedos que não se separarão se você tentar serão os anelares.
Todos na família tomarão seu rumo, formarão suas próprias famílias...
Apenas marido e mulher permanecem unidos.


Certo, culpa da anatomia humana. Mas até por isso, uma ótima justificativa para ser esse o símbolo da união entre duas pessoas.
Um olhar espiritualista e desapegado olha o anel fútil, materialista e antiquado que casais usam no dedo!
Na maioria das vezes, sem acreditar de fato que aquilo signifique algo mais do que uma simples convenção, algo para agradar mulheres e família, ou o próprio ego.
Mesmo assim, apesar de ser pouca adepta a tradicionalismos, rituais ignorantes e acordos sociais, sei a importância do amor na vida das pessoas.


A raça humana se une desde sempre e sempre será assim.
Mesmo que relacionamentos se desmanchem, os laços são eternos.
Se as pessoas precisam de rituais de passagem para dar um significado a vida ou se isso realmente marca alguma vontade divina, eu não sei. Mas tenho consciência de que o núcleo familiar é importante e se, para que as alianças existam, haja a necessidade de marcos psicológicos, acho que os anéis no quarto dedo são, além de belos, um grandioso sinônimo de amor.


video

7 comentários:

Marcos disse...

já usei alianças... e falo com propriedade: pura anatomia humana os anelares não conseguirem se separar... E os sentimentos!? Convenções e mais convenções de natureza humana. Começo a acreditar que o casamento é instituição falida...

Karen Drago disse...

Sim, Marcos! Concordo contigo... E acrescento que casamentos funcionam tão pouco hoje porque as pessoas não se sujeitam mais a viverem algo pouco intenso. Os tempos são outros e até mesmo os filhos, pelos quais um casal poderia permanecer unido, já não são impecílios... A final, já estão acostumados com esta nova situação. A paixão tem prazo... o amor segue ou não, mas não impede que o tempo te leve a querer novas experiências! E nada mais justo... (seria tão bom se nosso inconciente coletivo se moldásse sem dores aos novos tempos). Mesmo assim... não consigo deixar de admirar aquele casal de velhinhos... Que mesmo já tendo vontade de matar o cônjuge algumas vezes, de sair correndo mundo a fora... segue ali ao seu lado! Sendo companheiro, confidente, fiel, amigo... Maldito pensamento romântico que, bom ou não, credita valores a humanidade!

shaxxizinhu disse...

BOa explicacao...sempre pensei o por que de usar nesse dedo...agora vai uma pergunta..
Pq qdo ainda noivo, usa na mao direita e depois de casdo na esquerda?
euheuhuhehuehuheu

http://www.technews.vai.la/

Karen Drago disse...

=§ Bah, aí eu não sei! Ah, essa deve ser invenção de quem não tinha como diferenciar um noivo de um marido/esposa! Hahaha!

FábioLeandro disse...

Antes de mais nada, alguém tentou separar os dedos anelares????
Eu consigo separá-los da mesma forma que os demais... será que tem relação com o pensamento de que casamento já era?

De certa forma ainda compartilho a idéia da Karen de que o pensamentop romântico credita valores à humanidade. Acredito que tesão, paixão e amor são coisas distintas. Podemos ver e desejar diversas pessoas pelo simples fato de sentir tesão por "aquela(s) pessoa(s)". Podemos nos a(PAIXÃO)nar por qualquer uma delas e dificilmente explicaremos o motivo desta paixão; ainda será confuso se é pelo tesão inicial ou pelo desejo de amar. E amar, o que é o amor? Quem amar? Porque amar?
Amor pra mim é sentimento de entrega, no qual nos dispomos a passar (em teoria) o resto da vida com esta pessoa. O tesão já terá passado... a paixão talvez também já se tenha ido... mas aqueles sentimentos de carinho, de amizade e de companheirismo serão eternos. Será um passeio de velhinhos de mãos dadas... será a presença na casa para conversar... será a nostálgica lembrança de fotos do passado que restarão.

Isso também defende um pilar do meu ponto de vista sobre traição.
Traição, nada mais é do que a vontade de sentir um novo "tesão" e não necessariamente amar essa outra pessoa. Justamente por ser o tesão passageiro, vejo que é possível lidar muito bem com o amor por alguém, que é de fato o que restará para sempre. O sentimento de amor ninguém vai roubar ou dizer que não existe mais. Uma vez despertado e será inegável, mesmo que ocorram mágoas ou que fique ressentimentos.

Será que isso também explica a separação dos meus anelares???

Karen Drago disse...

Tirando o chapéu nesse momento! Um minuto, um minuto... O chapéu foi tirado para o Fábio!! Nossa! Adorei as tuas colocações! Sem hipocrisias! Seco, certo, certeiro!! ;)

Karen Drago disse...

“Os egípcios, por volta de 2800 a.C., já usavam anel para simbolizar o casamento. Para eles, um círculo, não tendo começo nem fim, significava eternidade para a qual o casamento era destinado. Dois mil anos depois, os gregos descobriram os mistérios do magnetismo. Daí surgiu a crença de que um ímã também podia atrair o coração. Os gregos acreditavam também que o dedo anular esquerdo possuía uma veia que levava diretamente ao coração. Por isso, começaram a usar um anel de ferro imantado nesse dedo, para que os corações dos amantes ficassem atraídos para sempre. O costume passou aos romanos e a Igreja manteve a tradição.”

(Super Interessante by Blog RBS Noivas:http://wp.clicrbs.com.br/noiva/2010/03/19/por-que-a-gente-usa-alianca-de-casamento-na-mao-esquerda/?topo=52,1,1,,170,e170)